Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas d'O Coração da Cidade

a instituição que o povo do Porto elegeu para si ...

Crónicas d'O Coração da Cidade

a instituição que o povo do Porto elegeu para si ...

aventura humana em corpo de mulher ...

 

 

fora da cidade...
entre os muros invisíveis dum bairro infecto onde a promiscuidade sem sombra de dúvida assusta e ajusta seres em desequilíbrio, desenrolam-se e desenvolvem-se dramas que em nada dignificam o ser humano...
 
embora o esforço de algumas assistentes sociais e a entrega incondicional de muitos homens de boa vontade, que se debruçam e interessam por todas as questões de âmbito social, a vida privada de todos os que são obrigados a viver nestes guetos que tudo absorvem e que tudo resolvem dentro de portas, é horrível e violenta a todos os níveis…...
licito ou ilícito, o certo é que a violência tem tendência a aumentar de forma brutal, dentro destes espaços, sem que alguém com um pouco mais de capacidade organizativa e até com responsabilidade social, ganhe coragem e tente pelo menos acudir a muitos seres humanos que não passam de objectos nas mãos imundas de seres abjectos que só tem por princípio a violência, liderando  na sua personalidade o mais básico de todos os instintos, a violência, a agressão pura e simples …apenas pela oportunidade de se sentirem "mais homens"...
ridículo machismo…! que ainda prolifera na mente distorcida de muita gentinha que não consegue evoluir e que deambula na cidade, nada fazendo, nada realizando, mas vivendo à custa de muita gente...
 
se me fosse lícito dizer uma palavra, mandaria para trabalhos forçados todos os homens que se manifestam sem qualquer responsabilidade, como carrascos de muitas mulheres indefesas e sem capacidade para se afastarem deste género de pessoas que apenas tecem ordinariamente possibilidades de agressão e maldade...
 
a história que eu vou contar , deixou-me profundamente abalada…
 
passava pouco da hora do almoço e no Coração da Cidade como sempre, se reúnem para fazer as suas refeições, todos os voluntários que fazem parte da imensa equipa que a instituição desloca e que desempenha funções  nos mais diversos espaços...
a protagonista desta história chegou como habitualmente para fazer a sua refeição, mas desta vez, vinha com o semblante carregado e lágrimas abundantes no olhar que lhe inundavam a face...
acolhida de imediato por outras voluntárias que suspeitando  do seu drama e percebendo a sua aflição, a trouxeram ao meu gabinete para pedirem auxílio...
 
tinha diante de mim, uma bela mulher, rosto de anjo e porte de menina que apesar das agruras da vida, faz jus à sua juventude...
23 anos, dois filhos e uma beleza interior que a todos confunde...
trabalha como ninguém, nunca tem um enfado, resolve com cordialidade todos os assuntos que lhe são destinados e nunca regateia esforços..
mas, toda a bela tem um senão e ela também não é excepção...
 como costuma dizer, quando era mais novinha e se apaixonou , ele, o companheiro, até era boa pessoa ... bonito, sedutor, elegante e bem falante, atraiu a sua atenção...
 
hoje com dois filhos, a sedução já não existe mais, depois que se juntaram, não mais trabalhou e o café da colectividade, a droga e a pouca vontade de progredir, fizeram dele um ser desprezível e com o qual ele tem muita dificuldade em relacionar-se...
 
mesmo depois de ter sido espancada e ter recorrido à urgência do hospital e ter apresentado queixa na respectiva esquadra, este " ser humano", continua com ela e na mesma casa porque ninguém tem capacidade de ver que esta jovem mulher não pode mais aguentar tanta selvajaria...
 
depois de ter pedido mais dinheiro para comprar o que pensa ser a sua necessidade vital e ter constatado que o dinheiro já não existe, ele não se demora para a descompor e lhe fazer todo o tipo de ameaças e mensagens de telemóvel que tivemos oportunidade de ler e que em nada dignificam um ser humano e que ofendem de forma brutal quem as recebe...
 
ameaçando tirar-lhe o filho mais novo se ela não lhe pagar aquilo que ele quer este homem passa a sua grande parte do dia de guarda, para ver quando tem oportunidade de levar com ele o filho e quando é que a sós apanha a jovem, para dela dispor através da única linguagem de que dispõe mentalmente ( a violência)...
 
execrável mensagem, que me obrigou a tomar medidas severas, direccionando para o infantário e escola dos filhos, a jovem na companhia de uma psicóloga voluntária, que foi testemunhar o facto junto das professoras e a reconduziu posteriormente até à residência da mãe que a colherá por uns dias...
 
necessitamos de uma casinha , ainda que pequena, para esta jovem que não tem onde morar e que tem que refazer a sua vida, longe do seu carrasco...
 
quem quiser ajudar esta jovem mãe, corajosa, dinâmica, amorosa e responsável, batalhadora e trabalhadora... é só dizer... ela necessita de uma casa , de um emprego,. porque a precariedade dos empregos  que  consegue, não lhe garantem financeiramente a possibilidade de um arrendamento...
 
amar para chegar a este ponto de relação a dois, não pode acontecer nos nossos dias, mas parece ser o pai nosso de muitos lares...
 
alheios aos dramas instituídos e quase " normais", muita gente nem imagina a capacidade que o ser humano tem de ultrapassar essas barreiras, de enfrentar esses monstros e de fazer amor no dia seguinte, fingindo que tudo voltou a ficar perfeito...
a dor é tão grande que nem conseguimos distinguir se doeu mais a violência física se o abraço que o carrasco deu no dia seguinte...
as celas que o mundo tem e que todo o mundo ignora..
o bater da porta anunciando a entrada de quem voltou apenas para castigar inocentes, por pecados que inventa...
o medo nos olhos de quem é castigado, defronta-se a medo com a violência do olhar de quem castiga..
o corpo a tremer e a alma a morrer um pouco todos os dias...
a juventude e a beleza vai escapando por entre os dedos ...
mas, de repente, tudo termina a imaginarmos que um dia vamos ser felizes...
quando a noite acontece, no silêncio dos horas na cela que nos está destinada somos obrigadas a amar , sem recusa, engolindo as lágrimas, na esperança de que o álcool, venha por fim adormecer o carrasco... e tudo isto no silêncio a noite...
 
não há leis que guardem verdadeiramente ninguém, enquanto não sofrermos os dramas de muitos seres humanos que apenas tem o dever de viver e calar seja a que preço for...
 
enquanto na televisão se realizam programas de profanação programada das intimidades de muita gente, a vida vai realizando sem câmara outros dramas, que quase sempre terminam em tragédias humanas...
 
a esta hora, creio que a jovem da nossa crónica estará a salvo no lar materno... mas até quando ? ...
 
sofrimento e dor, pranto continuado, violência a todos os níveis sem explicação palpável, apenas pelo simples prazer de magoar e destruir...
 
quem vigiará a sociedade que está repleta de actos de violência que no fundo ninguém assume a  fundo, porque em sã consciência sabe que são inúmeros...
 
para quando meus Deus a abertura de todas as celas do mundo ?...
quando se libertarão estas mulheres que não têm o apoio da sociedade? e se sentem indefesas?...
 
sem grande esforço Tu libertarias todas estas mulheres... Sabes como meus Deus? ... educando todos os homens...
 
lasalete

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

CORAÇÃO DA CIDADE ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ MOVIMENTO ECUMÉNICO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ VOLUNTARIADO EM ACÇÃO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥


a nossa sede na Rua Antero de Quental, nº 806- Porto

desde a inauguração desta casa que os voluntários têm sido um marco de coragem e abnegação




saiba porquê.....


O Coração da Cidade é:

é um espaço de solidariedade universal

com preocupações constantes de actualização

ao serviço permanente da comunidade onde está inserido

de conforto e amparo, servido apenas por voluntariado

onde todos os serviços prestados são e serão sempre gratuitos

promotor do voluntariado e intercâmbio associativo

O Coração da Cidade,

já estendeu a sua acção

a outros espaços do distrito do Porto

criando para o efeito

uma cadeia de Lojas Sociais ,

que lhe permitam

uma maior sensibilização

para o vuntariado

e ao mesmo tempo

detectar

novos focos de pobreza

venha até ao Coração da Cidade

faça-se voluntário

e ajude a servir,

os que mais necessitam de auxílio



gifs

CADEIA SOLIDÁRIA um euro uma razão para ajudar o Coração


é o que estamos necessitando neste momento ...

O Coração da Cidade inicou um pedido de ajuda para que seja posivel ultrapassar as suas dificuldades

associe a sua vontade de ajudar á nossa causa e contribua comnosco...

seja um amigo d'O Coração da Cidade

esperamos o seu

ajude-nos a ajudar ...

apenas um euro

Millenium BCP

0033 000000 239551298 05


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D