Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas d'O Coração da Cidade

a instituição que o povo do Porto elegeu para si ...

Crónicas d'O Coração da Cidade

a instituição que o povo do Porto elegeu para si ...

tão fragéis... meu Deus...

sem que propositem , perante as imagens, a piedade instala-se dentro de nós...

 

estes olhos, vencem o medo, mas a ternura que inspiram, abala o coração de qualquer ser humano...

 

como são frágeis , os seres desprotegidos pela vida... os que nada possuem para além do olhar mais doce que Deus lhes deu...

 

hoje fiquei parada, olhando a televisão...escutei mais que uma vez...

 

12 mil crianças institucionalizadas...

 

as minhas lembranças revoltas confundiram-se com as palavras a cores que a televisão fazia ecoar... 

voltei de repente para dentro de mim... já era assim quando ainda era criança... não era de ninguém... era do mundo...

 

que medo meu Deus... que fragilidade ...

que dor experimentei, quando aquelas portas enormes se fecharam atrás de mim e aquela figura feminina me olhava do cimo dessa montanha dura com dois olhos enormes e a voz mais autoritária que alguma vez ouvira...

 

eu só conhecia o mundo, onde não havia de comer, nem lençóis para dormir , nem brinquedos para brincar... mas tinha os olhos da minha mãe...

 

e agora... encerrada naquele convento...

Vairão ... isto para mim ficava no finalzinho do mundo... talvez do outro lado da casa da minha mãe e muito perto do inferno...

 

de repente descobri que não habitava só naquele local... outras mulheres igualmente altas e feias vieram ao meu encontro... despiram-me, deram-me banho, cortaram-me o cabelo e levaram o cheiro da minha mãe... sofri demais para me encontrar... quando me deitaram tremi toda a noite... e nas noites seguintes não consegui encontrar motivo para que a minha mãe se tivesse esquecido de mim naquele lugar...

 

e assim permaneci longos anos... até ser maior e descobrir que tinha que ser assim...

 

tanto se escreve sobre as crianças dentro das instituições e tão pouco se sabe do que efectivamente se passa lá dentro...

 

agradeço por ter sido retirada à pobreza... mas não era a mim que deviam ter castigado... eu com cinco anos nunca tinha feito mal a ninguém... eu não tinha culpa de os homens serem egoístas e fazerem dos mais pobres escravos permanentes... a minha mãe trabalhava muito e chorava demais porque não tinha dinheiro... nada tinha para nos dar...

 

hoje sempre que vejo uma mulher a pedir ajuda o faço em nome da minha mãe...

 

mas ainda me fere quando se fala das crianças armazenadas em instituições de caridade... por muito diferente que seja o mundo de hoje a dor continua igual e a pergunta permanece ... porque estou aqui?... que crime cometi ?... porque não tenho direito a um lar como as outras crianças?... um dia perguntei a Deus ... Pai do céu , porque não gostas de mim e me deixas-te abandonada aqui dentro?...

 

lembro-.me que por esta altura do ano as alunas internadas recebiam durante as visitas mensais dos seus familiares, laranjas e algumas goluseimas que comiam sofregamente ...

eu dificilmente recebia visitas... mas no dia das visitas das outras meninas, eu não recebia laranjas, então sem ninguém ver, depois de todos se retirarem juntava as cascas espalhadas pelo chão  e cheirava-as para me lembrar do cheiro do outro lado do muro... na esperança de recuperar o cheiro da minha mãe...

 

no mesmo local existia uma grande ameixoeira, cujo tronco centenário tinha moldado um grande buraco, onde me escondia a chorar com saudades da minha mãe e com medo de nunca mais sair daquele espaço...

 

é necessário entender a mente de quem está guardado nestes espaços, que por muito carinho que ofereçam, representam para quem lá reside, um misto de conforto e de angústia difícil de arrancar...

 

a fragilidade de quem nada tem, dói-me profundamente e sempre tento atenuar essa dor... mas, quando os números me trazem a enormidade do abandono, do colo que tanta falta faz... então aí... meu Deus, como dói...

 

tanta construção ao alto, tanta estrada maravilhosa, já conseguimos o espaço, tanta tecnologia de ponta que nos deixa de boca aberta e ainda não conseguimos tomar conta das nossas crianças, nem amamos os animais...

 

que mundo é este meu Deus ... tão frágeis que nós somos...

 

lasalete ...

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    maria 22.01.2009

    22 de Janeiro de 2009
    Também por lá passei uma grande parte da minha infância, ainda hoje e já com 40 anos me lembro daqueles corredores frios, das freiras, do medo, das angustias, e das questões que todos os dias me colocava, o porquê de estar alí, tinha mais irmãos mas meninas eramos duas, a minha irmã mais velha era mais madura e fingia gostar de lá estar, eu muito frágil, magra tinha medo até da minha própria sombra... grandes tareias apanhei, e quntas vezes por não saber fazer renda de bilros, isto com 3 ou 4 anos os castigos que me deram, nem sei bem como resisti a tão grande angustia. O colégio de Vairão era medonho, frio e muitas vezes desumano, ainda bem que apareceu uma família para me adotar, ainda hoje sonho com aqueles corredores que cheiravam a cera colocada por nás, tinham que brilhar mais que as estrelas no céu em noite de verão... e os natais? e os nossos aniversário, quase passavam por despercebidos, e as visitas que as outras meninas tinham e eu nem sabia bém o que era isso, o meu cabelo comprido que foi logo cortado à chegada, até parecia um rapazito..., tantas coisas que eu vos contava..., tantas histórias tristes que não me saiem da cabeça... que infância meu deus... cada vez que me falam em freiras ou colégios internos parece que me sobe um arrepio e apetece-me mesmo é calar quem fala daquelas instituições sem nunca por lá ter passado, tantas lágrimas me serviram de embalo para adormecer. na verdade não tenho inimigos, mas se os tivesse nem isto eu lhe desejaria. talvés um dia vos conte mais...
    Maria
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    CORAÇÃO DA CIDADE ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ MOVIMENTO ECUMÉNICO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ VOLUNTARIADO EM ACÇÃO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥


    a nossa sede na Rua Antero de Quental, nº 806- Porto

    desde a inauguração desta casa que os voluntários têm sido um marco de coragem e abnegação




    saiba porquê.....


    O Coração da Cidade é:

    é um espaço de solidariedade universal

    com preocupações constantes de actualização

    ao serviço permanente da comunidade onde está inserido

    de conforto e amparo, servido apenas por voluntariado

    onde todos os serviços prestados são e serão sempre gratuitos

    promotor do voluntariado e intercâmbio associativo

    O Coração da Cidade,

    já estendeu a sua acção

    a outros espaços do distrito do Porto

    criando para o efeito

    uma cadeia de Lojas Sociais ,

    que lhe permitam

    uma maior sensibilização

    para o vuntariado

    e ao mesmo tempo

    detectar

    novos focos de pobreza

    venha até ao Coração da Cidade

    faça-se voluntário

    e ajude a servir,

    os que mais necessitam de auxílio



    gifs

    CADEIA SOLIDÁRIA um euro uma razão para ajudar o Coração


    é o que estamos necessitando neste momento ...

    O Coração da Cidade inicou um pedido de ajuda para que seja posivel ultrapassar as suas dificuldades

    associe a sua vontade de ajudar á nossa causa e contribua comnosco...

    seja um amigo d'O Coração da Cidade

    esperamos o seu

    ajude-nos a ajudar ...

    apenas um euro

    Millenium BCP

    0033 000000 239551298 05


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D