Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

caridade ...????????????

 

afinal o que é a caridade...

A CARIDADE LIBERTA ... ENSINA

 

tenho sobre a caridade, um conceito não muito correcto, ou melhor dizendo menos conveniente, para aqueles que só vêm a caridade, como a expressão santificada da alma humana...

todos conhecemos histórias de homens e mulheres que enquanto existiram na terra exerceram esta virtude de froma incondicional e por isso mesmo, lhes deram o estatuto de santos, tais as virtudes que lhes emolduravam a lama...

 

a caridade é para mim, a virtude carismática da evolução, mas não a entendo na forma como a expressam ...

 

para mim, caridade em absoluto, é uma virtude de prevenção para que o mal que atinge a humanidade em qualquer aspecto, não o possa atingir ...

 

caridade para mim, é realizar no tempo certo, com vontade férrea, mil e uma possibilidades para que a humanidade não sofra, prevenir situações de miséria, alfabetizar, empregar...

 

para mim, caridade é libertar, mesmo do jugo espiritual em que se encontram muitos seres humanos, a quem venderam a ideia de que Deus os virá socorrer e então só temos que os deixar empobrecer para que Deus exerça a sua bondade a aí sim os mais "cristãos" vão testar a sua fé (que pedir a Deus que nos ajude)...

isto não é caridade ... é miséria mental de quem assim pensa...

sendo Deus, a sumidade infinita de amor e paz, não quer que degrademos a humanidade para depois suplicar em coro a sua reabilitação...

 

Deus é bondade e de certeza que se a sua voz em sonante dicção se fizesse ouvir iria dizer isto mesmo... respeitai a minha criação e distribui a todos por igual os recursos com que criei a Terra...

a caridade, é dotar os que se aproximam de nós, de todas as capacidades de vida para que não dependam nem de nós, nem de ninguém, mas de si próprios, com todas as limitações que lhes são próprias, mas ensiná- los a viver com alegria...

 

muitos seres humanos vão morrer ( desencarnar) , com a ideia de que Deus é injusto... e tudo isso culpa de quem se diz ao lado de Deus, que acumulou riqueza que os vindouros não quiseram por sua vez distribuir e que não viveram de acordo com os preceitos da santa caridade...

 

quando me falam dos votos de pobreza em relação á igreja eu rio e considero essa contínua afirmação uma falta de caridade para com a maioria das pessoas que sendo inteligentes, sabem que não é isso que está a acontecer pode até chamar-se de hipocrisia...

 

a caridade, é franca e honesta, forte nas suas resoluções e convicta na sua apresentação humanitária...

não depende dos governos e não se arrasta debaixo do pálio de qulaquer doutrina...

adopta a filosofia universal do Mestre Jesus, quando ensinou "não faças aos outros o que não gostaria que te fizessem ati "...

 

a caridade, não espera que os pobres fiquem mais pobres para exercer absurdamente o dom da suposta caridade...

 

ainda há, quem considere que ser humano vestido e corado, não precisa de comer, porque não está suficientemente depauperado, para que com ele possamos exercer a caridade...

 

a caridade é preventiva, não faz pobres, pelo contrário, a caridade esforça-se para que os seres humanos tenham tudo em abundância, inclusive os dons espirituais para que se saibam defender das  situações mais estranhas que acontecem na vida...

a caridade é o dom da prevenção da miséria ...

 

a caridade é redentora, benigna, alegre e sorri, canta, dança, vive, não mata à nascença os ideais possíveis na Terra...

 

a caridade é divina e foi distribuída aos homens, dentro das medidas possíveis aos humanos, para ser exercida de acordo com a realidade do seu ser, apostando na felicidade dos seres no planeta...

 

a caridade é autónoma , não cria dependência... forma consciências...

 

a caridade é amor... "fora da caridade não há salvação"

 

caridade não é dar sopinha, é ensinar a fazer a sopinha, é garantir que em cada casa existam coisinhas para fazer a sopinha, a panelinha para a sopinha e que todos dentro dessa casa sorriem a comer a sopinha...

 

denganem-se aqueles, que pensam que vão para o céu apenas porque distribuem uns tostões por aí e andam a dar sopinha e pãozinho aos pobrezinhos...

 

libertem os povos das loucuras doutrinárias, das suas aflições, lutem para que a felicidade seja uma realidade...

 

não, não é utopia o que estou falando, isto é real, tão real quanto a ausência de valores de que tanto se fala... e tudo isto porque os governos, não trabalham e descansam naquela de que depois vêm os caridosos e fazem o nosso trabalho... dão de comer aos pobrezinhos...

 

pensem com maturidade... caridade é prevenir os estados de pobreza , retirando as populações do marasmo em que se encontram e mostrar-lhes que existe uma qualidade de vida a que todos têm direito, respeitando obviamente os limites de cada um, mas ajudando todos eles a que dentro dos seus limites desenvolvam as competências necessárias para que não tenham de depender da caridadezinha...

 

Deus é amor... a mim fez-me um ser livre... a ajudemos a Terra a alcançar a liberdade.

 

SÓ O AMOR FAZ A DIFERENÇA...

 

 

lasalete

neste momento eu estou ...: de olhos abertos
publicado por lapieta@sapo.pt às 08:57

link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Agosto de 2007

anjo branco do meu país...

adoro o meu país e se pudesse escolher , estava um pouco em todos os lugares...

 

amo a cidade onde nasci ... minha querida cidade do Porto... mas não consigo deixar de desejar por muitos motivos, viver no Alentejo...

tive a oportunidade de voltar este ano à paisagem alentejana,  onde repousei uns dias e visitei de novo o anjo brando do meu país ... SERPA ...

bela demais para estar tão quente, branca demais para ser esquecida...

longe demais para se poder abraçar todos os dias...

 

visitei a cidade que me embala as recordações, embora o meu coração tenha ficado no Porto com tudo o que me motiva a viver neste vida...

 

tristemente, registei nas aldeias que envolvem este anjo branco a dificuldade das populações locais...

 

as casas branquinhas denunciam com toda a certeza, a dificuldade que é habitar tão pequenino recanto... e embora o cuidado e a limpeza do espaço envolvente de qualquer aldeia, fiquei surpreendida com as pequeníssimas parcelas de terreno cultivado, de propriedade particular, muito parecidas com as hortas do norte, mas apenas com mais ou menos 4 a 6 metros quadrados de verde, quase seco e com alguns bicos à mistura,  que de certeza fazem parte da economia familiar...

 

semelhantes a minúsculos apontamentos de favela brasileira , chocam pela proximidade com as casas branquinhas, que isoladas, bordam a paisagem belíssima, de rosto loiro, denunciando as searas rapadas tecnicamente, muito  cuidadas a perder de vista...

a forma destes quintais , vestidos de tábuas velhas e de velhas telhas plásticas e de chapa ferrugenta, lembram frente à enormidade das searas que os latifúndios ainda existem e que quem trabalha ou trabalhou a terra sempre fica com a menor parcela...

 

as férias de todos nós, mostram sempre coisas diferentes, contornos paisagísticos denunciando mudanças e deixam-nos recordações impressionantes...

 

porém, recolhi nestas férias, a maior lição de desprendimento e percebi que a solidariedade é coisa firme entre aqueles que nos rodeiam...

 

sem que alguém programasse e porque Deus assim o entendeu, coincidentemente dois voluntários, um casal, com quem privo diariamente , marcaram  na mesma data e  no mesmo local as suas  férias ...

só na vespera de partirmos do Porto é que descobrimos com alguma surpresa que íriamos para o mesmo lugar... eles faram dois dias antes e lá nos encontramos passados tres dias...

terminamos então por ficar  durante quatro dias no mesmo local e não posso deixar de registar neste meu espaço o facto que quero levar ao vosso conhecimento... eles que me perdoem...

 

como chegaram antes de mim uns dias, começaram por fazer localmente a investigação dos locais mais bonitos e num desses passeios , pararam para beber algo refrescante...

no Alentejo as situações para sedentar não abundam, mas o nosso casal parou no  café da localidade de Santa Victória...

enquanto bebiam o seu refresco, conheceram um velhinho de 84 anos, antigo soldado da GNR local, que com toda a amabilidade e vagar dum alentejano perfeito lhes falou da sua antiga vida, nos tempos de guerra, na candonga local, na fiscalização apertada, nas lutas dos trabalhadores e num sem número de histórias que emprestaram àquele refresco a eternidade da poesia popular...

conversa vai , conversa vem, o idoso embora com saudades da sua juventude, lá foi apontando como interessantes as mudanças no seu querido Alentejo...

falou de muitas coisas e também , mas  da pena que sentia por nunca ter conhecido a Barragem do Alqueva, porque ouvia dizer que era muito bonita e gigantesca, mas ele e a sua Maria nunca tinha conseguido visitar, embora as filhas já fossem formadas e as netas com possibilidades de lhes facultarem um belo passeio o certo é que nunca aconteceu...

 

os meus amigos voluntários compadeceram-se do velhinho encantados com as suas histórias, plenas de vida e de verdade, fizeram-lhe um convite... visitarem o Alqueva...

o velhinho não se fez rogado e embora não os conhecendo de lado nenhum, de pronto aderiu ao convite...

conduziu-os a sua casa um pouco adiante ... e lá foram  foram conhecer a Donas Maria, companheira do nosso homem soldado e ele já levava a proposta solidária de um passeio ao Alqueva...

 

a Maria ralhou por ele chegar tão tarde, mas a novidade quebraria o ralhete...

ela nem queria creditar...

e lá foram todos na manhã seguinte de abalada até à barragem que fez brilhar os olhos dos dois idosos alentejanos...

almoçaram num restaurante muito fino e nem cabiam em si de contentes...

as filhas nem queriam acreditar no que estavam a saber pelo telefone ...

receosas pelas notícias menos agradáveis  que envolvem  situações inusitadas como esta, só sossegaram quando falaram vezes sem conta com os nossos amigos, que no final do dia depois de os entregarem em casa sãos e reconfortados pelo passeio, lá telefonaram novamente para os familiares, para dizer que tudo estava bem...

 

quando a esmola é grande o santo até desconfia...

só que aqui, não se tratou de esmola, mas de solidariedade verdadeira, que se aprende no dia a dia, que se consubstancia perante o sofrimento diário das populações indefesas e com fome...

 

não era o coração da cidade , eram dois corações do Coração da Cidade, o Armando e a Emília a dar continuidade ao voluntariado mesmo em tempo de férias...

 

dias depois lá tiveram, de ir lanchar como haviam prometido a casa dos nossos idosos o chazinho e o bolo alentejano com a promessa de que quando viessem ao Porto os iriam visitar...

 

fiquei encantada por este episódio e louvei a Deus, por me ter concedido a oportunidade de registar como é grande o coração humano...

 

passados alguns dias conheci nosso velhinho, de trincha na mão pintando de verde escuro, um portalzito que não estava conveniente para a vista, como ele referiu...

devagar, devagarinho, lá esticava a tinta e foi dizendo...  a outra parte pinta a minha Maria...

 

neste Alentejo que não dá para abraçar de uma só vez, também se fazem desejos...

num momento de calma e alegria, vi uma estrela cadente... pedi-lhe de imediato o desejo da minha vida ... liberdade para o meu povo...

lembrei mais uma vez os poetas do meu país que falavam como ninguém de liberdade, de paz, de pobreza, de trabalho... enfim ... da alma do povo...

a estrela riscava os céus levando o meu desejo, só eu e o meu companheiro vimos o facto, ninguém o referiu...

é preciso saber olhar o céu ...a cada um a sua estrela...

 

abençoado seja o Alentejo ...

mas dói, pensar que ainda não chegou a liberdade a toda a gente...

 

nossos velhinhos são esse exemplo ...

mergulhados num deserto, com o Alqueva ali tão perto ...

 

lasalete

neste momento eu estou ...:
publicado por lapieta@sapo.pt às 15:39

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

L I B E R D A D E

 

   aos poetas do meu país amado...

que partiram para a pátria espiritual...

gritando Liberdade em todo o seu sentir...

aos que se sentaram nos calabouços da ignorância, mas deixaram voar o pensamento...

aos que nunca deixaram colocar algemas na alma ...

aos que souberam dar o sentido perfeita à palavra LIBERDADE ...

 

Lutar a sério na vida,

Invocar sempre a coragem,

Buscar  na fé a guarida

E não parar a viagem ...

Repetir se for preciso ...

Dando de nós o melhor

Acionando a vontade,

Dar as mãos seja a quem for

Então sim ... é liberdade ...

 

 

            Enquanto um homem quiser

            Muitos cravos nascerão ...

Abril será novamente

Bandeira de uma nação,

Rosto de gente com sorte,

Independente  e vivendo

Livre ... livre até à morte...

 

lasalete ... 25 de Abril 2007 ... 17,11 h

neste momento eu estou ...: LIVRE
publicado por lapieta@sapo.pt às 16:46

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

eu tenho um molho de cravos....... ( poema)

 

 

 

 

          EU TENHO UM MOLHO DE CRAVOS ...

 

eu tenho um molho de cravos

que seguro em minha mão,

eu tenho um molho de cravos

em forma de coração...

 

eu tenho um molho de cravos

que falam de liberdade

eu tenho um molho de cravos

que se espalham pela cidade...

 

Trago no peito a razão

da liberdade assumida

não pertenço à ilusão

da liberdade esquecida...

 

nasci com olhos de ver

o povo que cala e chora,

que aperta cravos na mão

da dor que aí se demora...

 

 

as mãos sangram sem saber,

que do vermelho dos cravos,

ainda sangra a esperança

dos olhos que estão vendados...

 

canta-se Abril sem sentir

a importância vivida,

dessa manhã que a sorrir

quebrou as grades da vida...

 

ainda sonho primaveras

lutando de alma lavada,

e a noite não é das feras....

sou livre de madrugada...

 

Posso cantar liberdade

e falo o que bem entendo

mas ainda seguro a fome

dos que não falam morrendo...

 

Minha cidade está triste,,,

há cravos sem esperança

que não enfeitam as armas

na mão de muita criança...

 

Não há toalhas na mesa

do meu Portugal amado ...

e ninguém tem a certeza

de quem transita ao seu lado...

 

 

O céu acordou chorando

a dor dos que aqui lutaram

e que choram perguntando

porque é que as armas baixaram ?...

 

Mas a vida é sábia e bela

mantém uns quantos de pé,

que sustentam a certeza

dos cravos rubros de fé...

 

Em permanente beleza

os cravos que trago ao peito

são para mim a certeza

que Abril não é de outro jeito...

 

Abril é revolução

todos os dias... e mais...!

quando juntos nós quisermos

que todos sejam  iguais...

 

Quando Portugal armado

dum grande e bom coração

disser bem alto e em brado...

Abril é revolução...

 

Quando já não for preciso

despedir p’ra enriquecer

nem fechar portas à vida

apenas por que é mulher...

 

Quando a vontade for força

solidária  e   libertada

dos burocratas rançosos

que à vida não dão mais nada....

 

 

Dos  gabinetes  infectos

de bafienta razão

que criam leis para insectos

que não têm coração...

 

Pior que viver penando

e falar sempre em segredo,

é trabalhar algemado

e viver sempre com medo...

 

Nós somos gente que quer

trazer  ao peito a certeza,

que os cravos de Abril perfumam

a Bandeira Portuguesa...

 

só quem viveu uma vida

presa de tantos agravos

grita do fundo da  alma...

eu tenho um molho de cravos...

 

 lasalete ...

pelo amor que trago em meu peito,

com ânsias de liberdade...

25 de Abril 2007 ... 10,18 h

 

 

 Por todos os motivos e mais um,

                     eu   

 

neste momento eu estou ...: tenho fé
publicado por lapieta@sapo.pt às 09:25

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 5 de Abril de 2007

as flores ... a liberdade ... e a Páscoa

chamava-se  Victor... 

já não está entre nós...

 

Condenado a treze anos de prisão por homicídio , foi posto em liberdade por bom comportamento...

 

O Victor era daqueles rapazes meigos, que nunca conheceu, colo, casa e pão, muito menos carinho...

Perdeu os pais muito cedo e foi criado por uma avó que deixou este mundo estava ele na adolescência, a partir daí passou a viver na rua...

 

Os seus olhos azuis, de um azul penetrante e a sua forma de falar ao coração, fizeram-no conhecer uma rapariga que lhe deu três  filhos...

e quando o Victor pensava que tudo ia bem e que finalmente ia ter o seu lar, a droga e o roubo tomaram conta da sua vida...

Ele não conhecia a droga, mas a má sorte como lhe chamava levou-o a fazer parelha com homens pouco escrupulosos que lhe prometeram uma vida melhor...

 

Victor não sabia muito para acabar o ensino obrigatório e lia com alguma dificuldade...

 

Um dia a sorte virou madrasta e para se defender de quem o queria atacar entre bandos rivais o Victor puxa de uma navalha e ceifou uma vida ... a prisão foi a linha directa, que lhe custou bem caro...

 

Na prisão descobre que não aguenta a falta de liberdade ... tem o primeiro enfarte... doente e triste muda radicalmente de comportamento e passa a maior parte do tempo na enfermaria ...

 

Um dia sob liberdade condicional, vem ver como é ser livre novamente, mas os anos passaram ... os filhos não têm com ele afinidade e ele chora amargamente... a esposa pediu o divorcio e ele percebe que já não tem casa onde morar...

 

Sem abrigo novamente...   vem ao Coração da Cidade para fazer as suas refeições...

 

A história do Victor é por demais conhecida...

exalta-se com facilidade e sabe que não pode fazê-lo ... ele pode ser preso novamente se for apanhado em alguma briga...

Luta contra si próprio ... por causa dos filhos ... e se o seu comportamento for bom a mulher deixa-o ver as crianças ao fim de semana...

O Victor tem uma razão bem forte para lutar e andar na linha...

 

Mas um fim de semana mais difícil coloca o Victor numa briga de rua e apartando uns companheiros que estão lutando, no meio da confusão também é levado à esquadra...

 

O Victor está desesperado... é segunda feira, ele vai ser presente ao Juiz e com um medo imenso estampado nos olhos entra pela instituição dentro  pedindo ajuda...

 

Chorava desalmadamente... agarrou-me os braços e gritava: - a senhora é a minha mãe... ajude-me por Deus... reze por mim... eu sei que se a senhora quiser livra-me da prisão... eu não fiz nada... mas o Juiz tira-me a condicional... ajude-me...

 

Olhei para ele fixamente e percebo que alguém mais transtornado que ele e que se faz presente ao seu lado ri estridentemente... a entidade que o envolve está deveras satisfeita pela sua aflição... olhei para o homem-espírito que o rodeava e pedi-lhe que o perdoasse...

-Victor acalme-se ... disse-lhe eu ... para eu poder falar consigo... diga-me uma coisa... lembra-se do homem a quem você tirou a vida?... como era ele... ?

 

Pela descrição que fez , percebi estar na presença da entidade que eu pensava ... era mesmo a vitima de há uns tempos atrás ...

 

Um mensageiro espiritual segurou a entidade e sobre ele dispersou fluidos magnéticos que a acalmaram durante algum tempo e aconselhou-me  que ele fosse falar com o Juiz que nada de mal lhe ia acontecer...

 

O Victor partiu confiante e dizia... - fique a rezar aos espíritos que eu vou lá ... mas não pare pelo amor de Deus... eu não sei rezar...

 

Orei por ele com duas voluntárias que estavam a presenciar a cena no local e depois fomos para as nossa tarefas habituais comentando o facto de a entidade se apresentar ali e ser também ela ajudada pelos espíritos superiores...

 

Já pela tardinha ... sinto grande alarido e alguém fura todas as barreiras de segurança e quer chegar a mim a toda a força, gritando bem alto...

-Madrinha... madrinha... você é a minha madrinha... salvou-me ... o Juiz disse-me vai embora ... mas  reze ... reze muito  que eu hoje estou bem disposto ...

 

 

O Victor feliz... estendeu-me um ramo de gerberas que fora comprar para agradecer...deu-me um abraço e diz nunca me vou esquecer deste dia...tenho é que aprender a rezar... desta vez passo a Páscoa cá fora... que alívio...

 

 

Falamos mais um pouco sobre o seu comportamento ... mostrando-lhe que devia ser mais tolerante e devia recolher-se a casa  cedo para evitar as brigas de rua...

ele concordou e foi jantar ... e não falava em outra coisa...

 

Sempre que entrava para jantar gritava que estava muito feliz...

 

Um dia deixou da aparecer...

a dor de não ter os filhos consigo, a dificuldade de conseguir um trabalho, a pouca escolaridade ... tudo contribuiu para que o seu coração não resistisse e partiu com 35 anos...

 

Já não faz parte deste mundo imenso de jovens sem freio e sem destino ... desse conjunto de seres humanos que depois de recolherem à prisão são postos em liberdade e passam a ser presos com salvo conduto...

vivem uma liberdade fictícia... estão amarrados a um passado que a sociedade não sabe aceitar...

estão acorrentados a um mundo que só aceita os que considera normais e que não oferecem perigo...

 

Vai hoje para o Victor o meu primeiro abraço de Páscoa...

 

Aguenta Victor Ele morreu por um mundo melhor... esse dia vai chegar... estamos a colocar os alicerces ...

 

Victor estas foles são para ti...   lasalete

 

neste momento eu estou ...: livre
publicado por lapieta@sapo.pt às 18:39

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 31 de Março de 2007

nas asas do pensamento ..... poema

 

 

dedico este poema a todos os que vêm visitar este blog...

aproveitem o fim de semana para meditar...

 

 

 

 

                          nas asas do pensamento...

 

nas asas do pensamento... voei...

voei  nos braços do vento sobre paisagens coloridas...

e soçobrei de asas feridas, nas voragens de vivências

que dentro das consciências,se supunham escondidas...

 

voei ... nas asas do pensamento ,

com saudades de tocar

melodias de outros tempos,criadas p'ra me embalar...

rodopiei fiz-me imensa ...

e de luz assim suspensa flori como uma flor...

poisei nas águas claras dos lagos da poesia,

cantei... cantei ... fez-se dia...

e voltei assim alada...

então espalhei  flores ,rosas, azuis ,de mil cores,

douradas...  por sobre a terra ...

dorida trouxe comigo,pardais... milhares e milhares

que cantavam melodias em frases  que Deus ditou...

 

o Sol de ouro se vestia

e a Lua se atrevia a espreitar meu bailado...

as nuvens loucas de vida se abriam ,se emolduravam

águas  frescas se agitavam

e as crianças brincavam sentindo o amor chegar...

 

grupos de fadas azuis voavam soltas pelo céu

as açucenas de loucas perfumavam sem igual

e os corais escondidos choravam no oceano

as gaivotas convertidas diante desta beleza

falavam da natureza e do amor infinito

desta paisagem diferente que deixava toda a gente

sentindo amor inaudito...

 

 

voei ... voei... voei...

nas asas do pensamento ... voei...

e libertei o cansaço ...

voei... voei... voei...

voei assim como louca

na procura desse abraço...

 

                                                                                                    lasalete ... 31 Março 2007 ... 13.24

neste momento eu estou ...: em paz
publicado por lapieta@sapo.pt às 13:06

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 7 de Fevereiro de 2007

negra esperança...

hoje chegaram às dezenas, representando centenas de filhos, de genros e velhinhos acamados.

divisei na maioria deles uma loucura absurda e assustados com a situação ,pareciam ignorar o que diz o país sobre a OPA mais cara, ou o jogador mais requisitado...

também não discutiam as páginas corde rosa, já que essa é uma cor que há muito tempo não faz parte do seu arco iris de vida .

ao olhar para todos eles, lembrei-me de alguém que gostaria de ter conhecido, alguém que como eu um dia disse : 

- EU TIVE UM SONHO      ... eu também tenho um sonho ,

o sonho de arrancar da miséria muita gente, OS ESCRAVOS MODERNOS,  que vergados pelo peso de uma cultura política eivada de exacerbado personalismo e vocacionada em exlusivo para os mais da sociedade, já não sabem como defender a  vida.. alheios a tudo e hávidos por levar os alimentos que lhes faziam falta, sacudiam frases soltas de lamento onde a tristeza transparecia mostrando o rosto gigante que já ninguém consegue ocultar.

e enquanto uns apoiam o sim e outros defendem o não e todos se desunham de uma matéria tão importante como a defesa da vida, eu , perplexa entre as famílias que tinha na minha frente tomei de repente contacto com mais de uma dezena de jovens mães, sem companheiro e com o ventre pulssando de vida... para algumas já não era o primeiro filho, mas nenhuma delas estava apoiada pelo planeamento familiar. Apenas uma, disse rápidamente ,que a médica lhe ia fazer a laqueação de trompas... mas lafou de forma tão rápida e tão simples que ao olhar a idade da jovem, fiquei atónita e perguntei:- LAQUEAÇÃO DE TROMPAS AOS VINTE ANOS ?

e assim nos constituimos escravos da vida moderna, que não tem tempo para ninguém nem capacidade para amar ao ponto de instruir.de pois de tudo lembrei-me dele ...

que pensaria se fosse vivo, ele que retirou da rua tantos meninos que não foram abortados, que a vida criou como os melros das árvores, soltos como pardais ... por aí.

hoje nesta cidade ribeirinha escutamos as gaivotas  e olhamos os pombos que sobrevoam a avenida, ele procurava com o olhar no coração ,os pardais que a vida soltara por aí .

 ainda há pardais no Porto?

amigo ainda há pardais à solta e com fome e sem serenidade no olhar.

filhos de mães já gastas pelo tempo... mas pardais muito jovens com ninho prometido num bairro qualquer.lá...

onde Deus te colocou olha pela nossa cidade..,e já agora amigo, já não há jardim na sala de estar da nossa cidade...

onde se podem acolher os pardais?sem árvores, sem flores, fica tão negra a esperança...

lasalete

 

neste momento eu estou ...: no topo do arco iris
publicado por lapieta@sapo.pt às 17:32

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

CORAÇÃO DA CIDADE ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ MOVIMENTO ECUMÉNICO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ VOLUNTARIADO EM ACÇÃO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥


a nossa sede na Rua Antero de Quental, nº 806- Porto

desde a inauguração desta casa que os voluntários têm sido um marco de coragem e abnegação




saiba porquê.....


O Coração da Cidade é:

é um espaço de solidariedade universal

com preocupações constantes de actualização

ao serviço permanente da comunidade onde está inserido

de conforto e amparo, servido apenas por voluntariado

onde todos os serviços prestados são e serão sempre gratuitos

promotor do voluntariado e intercâmbio associativo

O Coração da Cidade,

já estendeu a sua acção

a outros espaços do distrito do Porto

criando para o efeito

uma cadeia de Lojas Sociais ,

que lhe permitam

uma maior sensibilização

para o vuntariado

e ao mesmo tempo

detectar

novos focos de pobreza

venha até ao Coração da Cidade

faça-se voluntário

e ajude a servir,

os que mais necessitam de auxílio



CADEIA SOLIDÁRIA um euro uma razão para ajudar o Coração


é o que estamos necessitando neste momento ...

O Coração da Cidade inicou um pedido de ajuda para que seja posivel ultrapassar as suas dificuldades

associe a sua vontade de ajudar á nossa causa e contribua comnosco...

seja um amigo d'O Coração da Cidade

esperamos o seu

ajude-nos a ajudar ...

apenas um euro

Millenium BCP

0033 000000 239551298 05


gifs

ainda que eu fale a linguagem dos anjos e dos santos... se não tiver caridade nada sou...

posts recentes

guerra surda ... para que...

liberdade para o Egipto.....

UM DIA FOMOS ASSIM ...

ACORDAR PORTUGAL...

os cravos estão vermelhos...

voo livre... (poema)

minhas raízes são alma......

flores no chão...

caridade ...????????????

anjo branco do meu país.....

L I B E R D A D E

eu tenho um molho de crav...

as flores ... a liberdade...

nas asas do pensamento .....

negra esperança...

mais comentados

arquivos

tags

portugal

vida

porto

portoblogs

eu

amor

parlamento

actualidade

pobreza

solidariedade

politica

país

política

eu pensamento poesia blogs

blogs

poesia

eu pensamento blogs vida solidão pobreza

pensamento

solidão

pensamentos

todas as tags