Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

fria exclusão ...

 

estamos todos a brincar com os direitos  humanos...

 

um dia alguém nos vai pedir responsabilidades...

 

as crianças de hoje serão os adultos do amanhã, transportando as directrizes do presente desorganizado...

 

com que direito ensinamos de forma deficiente ?...

 

 

a displicência com que assistimos às irregularidades da educação cívica ...

a forma discriminatória como ainda vivemos...

a falta de recursos, com que muitos seres humanos ainda sobrevivem...

o desespero atroz, com que muitas famílias tentam criar os filhos...

a degradação galopante da sociedade actual ...

a permissividade das falhas, que quase vulgarmente aceitamos, como modernidades, mas que se reflectem na vida activa, como ciclos que já aprendemos a evitar...

a falta de visão dos governos mundiais para cauterizar a exclusão social ...

a precariedade de meios, humanos para ajudar a incluir...

a deficiente acção programada, para criar cidadãos de plenos direitos e respeitáveis deveres...

a terrível e injusta distribuição de riqueza...

a separatividade dos bens terrenos e o apadrinhamento dos favores políticos, ainda que disfarçados...

os subornos disfarçados por debaixo do pano...

a sistematização do agravamento dos impostos, sem imposição cívica e contrapartidas sociais...

a massificação dos parques habitacionais, ondulantes na sua maioria por avalanches e grupos de violência...

a falta de pudor e aprimoramento das entidades responsáveis no seu exercício comunitário...

a extorsão de direitos humanos, como reflexo da falta de amor ao próximo ...

a banalização do processo de exclusão...

 

e o aproveitamento do facto para brilhar, têm sido factores de apavorada responsabilidade para a manutenção da fria exclusão, que ao longo de anos tem sido aparentemente estudada, mas que não está envolvida na vontade colectiva para ser debelada, rapidamente ...

 

apenas bastaria que cada um daqueles que estuda o problema, para ele e sobre ele se debruçasse no sentido de o ajudar, construindo bases sólidas para uma sociedade mais justas e não fosse temporariamente apenas inquilino de algumas propostas  periclitantes que de imediato são excluídas, mal de derruba o governo vigente...

 

a mudança sistemática de governo político, tem sido o grande e terrível causador da exclusão social...

 

as lutas políticas, existem como celas onde o esforço colectivo fica prisioneiro e a falta de respeito por alguns trabalhos, sérios e honestos, são deitados fora, apenas porque não foram criados dentro da cor política a que pertencemos...

 

por muitos motivos eivados de personalismo estúpido , a sociedade sofre e logicamente os mais fracos, são os que sofrem de forma mais dolorosa, vivendo sistematicamente na indigência e na subalternidade de um sistema deficitário...

 

é necessário sentir algo interiormente, como amor ao próximo e responsabilidade moral, para nos colocarmos mo patamar educador e evolutivo dum mundo que neste momento está sob a nossa responsabilidade...

 

por tudo isto podemos com mágoa concluir que a exclusão social é falta de responsabilidade...

 

adultos irresponsáveis a tentar entender assuntos de severa responsabilidade, só pode criar um mundo hostil e deficiente, no que respeita a direitos e a deveres...

 

a maneira desrespeitosa com que se distribui a riqueza e se planeiam as prioridades sociais e governamentais, são o espelho da opinião que tenho sobre a miséria actual...

 

a problemática da exclusão deve ser repartida por todos nós e será debelada a partir do momento que em que cada um de nós de forma declarada assuma a sua cota parte de responsabilidade...

 

façamos pelos outros um pouco e o problema começará a ser menor...

lutemos pela justiça social dentro do nosso espaço...

juntemos o nosso esforço ao esforço que já existe...

tentemos incluir nas nossas responsabilidades a responsabilidade cívica ...

não nos excluamos da mudança colectiva que tem que acontecer...

façamos eco da nossa vontade...

 

avancemos por um mundo melhor...

 

lasalete

 

 

neste momento eu estou ...: amando
publicado por lapieta@sapo.pt às 08:07

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007

os filhos da outra margem...

 

           todos sabemos que nada vai tão bem assim...

há quem lhes chame filhos de um Deus menor... eu prefiro chamar-lhes os filhos da outra margem...

andam muito e por onde calha, vivem das sobras que a humanidade lança fora com desdém, têm como tecto a lua, o luar quando acontece empresta nuances de paz... sobra-lhes em medo o que lhes falta em carinho, ninguém os quer ver por perto, todos os conhecem, mas não são parentes de ninguém , são portugueses sem direito ao serviço nacional de saúde...

trazem apenas consigo tudo quanto possuem neste mundo ( nada mais)... sorriem com dificuldade e quase todos apresentam problemas emocionais muito graves, psicopatologias medalhando o circuito mental que lhes permite viver ao relento com a facilidade com que os outros habitam as suas casas ... mas , quando chega a noite, a dor aperta e o seu olhar procura dolorosamente o espaço mais seguro para adormecer.

amam sim ,com uma necessidade visceral ,na vã tentativa de voltarem ao colo da mãe que na infância lhes prometia tudo ,apenas com o olhar...

mas fazem amor ao vento... assustando as paisagens citadinas sem gemer e com medo... e os filhos do luar acontecem... alguns andam por aí, pernoitando de vez em quando em pensões duvidosas que rapidamente não se podem pagar, para que ninguém lhes tire os pedaços do seu coração...

todos os ignoram, já que as leis não chegam até para os ( normais)...

as suas emoções são pagas com escárnio e maldizer, mas quando falam inventam vidas , adoptam roupagens que gostariam de ostentar, em terras que nunca conheceram, fugindo assim da curiosidade a que ninguém tem direito, já que no seu entender ninguém os ama...

livres como pássaros emigrantes, vivem da esperança que os deuses distribuíram aos homens por eles amados, mas gozam de uma liberdade que mal se entendem...

não querem morrer e insistem em permanecer de pé, mostrando aos outros como eles amam mal... são os pedestais da desumanização mostrando vivamente que tudo está por fazer...

têm direito a comer na rua, no trato quase cristão de gente de bem... muito poucos ousariam franquear-lhes a porta...

são eles as pessoas sem abrigo na alma da gente... os filhos da lua, aqueles que se cobrem com telhas de lã... representando a dantesca desordem dum país europeu...

mas o nosso mundo indigente está a mudar... os factores se invertem e hoje é possível perceber com dolorosa agonia que os castelos do passado são as ruínas do presente...

nesta divina comédia, os novos pobres estão a surgir e se não amparar-mos o processo com olhos de ver, vamos percebê-los na cidade mostrando dolorosamente o lado infecto das resoluções por tomar, das leis sem serventia, da serpente burocrata e do domínio dos que se servem da sua indigência...

aprofundar a dor das pessoas sem abrigo é abrir fendas na nossa alma... porque eles ficam entre a Terra e o Céu impedindo a nossa passagem...

coragem para mudar ... sem subornos celestiais... com interesses de paz...

a experiência na Terra mostra que ninguém tentou de verdade e que aqueles que o tentaram foram exterminados...

o amor assusta os ratos da política e a polis adere frequentemente à imobilidade traduzindo apenas páginas de interesse pessoal ...

mas...

diáriamente se pronuncia a máxima que Ele ensinou ... AMA AO PRÓXIMO COMO A TI MESMO...

lasalete

neste momento eu estou ...: estou amando
publicado por lapieta@sapo.pt às 06:43

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

CORAÇÃO DA CIDADE ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ MOVIMENTO ECUMÉNICO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ VOLUNTARIADO EM ACÇÃO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥


a nossa sede na Rua Antero de Quental, nº 806- Porto

desde a inauguração desta casa que os voluntários têm sido um marco de coragem e abnegação




saiba porquê.....


O Coração da Cidade é:

é um espaço de solidariedade universal

com preocupações constantes de actualização

ao serviço permanente da comunidade onde está inserido

de conforto e amparo, servido apenas por voluntariado

onde todos os serviços prestados são e serão sempre gratuitos

promotor do voluntariado e intercâmbio associativo

O Coração da Cidade,

já estendeu a sua acção

a outros espaços do distrito do Porto

criando para o efeito

uma cadeia de Lojas Sociais ,

que lhe permitam

uma maior sensibilização

para o vuntariado

e ao mesmo tempo

detectar

novos focos de pobreza

venha até ao Coração da Cidade

faça-se voluntário

e ajude a servir,

os que mais necessitam de auxílio



CADEIA SOLIDÁRIA um euro uma razão para ajudar o Coração


é o que estamos necessitando neste momento ...

O Coração da Cidade inicou um pedido de ajuda para que seja posivel ultrapassar as suas dificuldades

associe a sua vontade de ajudar á nossa causa e contribua comnosco...

seja um amigo d'O Coração da Cidade

esperamos o seu

ajude-nos a ajudar ...

apenas um euro

Millenium BCP

0033 000000 239551298 05


gifs

ainda que eu fale a linguagem dos anjos e dos santos... se não tiver caridade nada sou...

posts recentes

fria exclusão ...

os filhos da outra margem...

mais comentados

arquivos

tags

portugal

vida

porto

portoblogs

eu

amor

parlamento

actualidade

pobreza

solidariedade

politica

país

política

eu pensamento poesia blogs

blogs

poesia

eu pensamento blogs vida solidão pobreza

pensamento

solidão

pensamentos

todas as tags