Quarta-feira, 17 de Março de 2010

flores ... para o pai ...

 

 

 

hoje partiu o pai de uma amiga...

 

lembrei nesta dor os pais de toda a gente...

 

naturalmente lembrei o meu pai...

 

já partiu vai para muito tempo, mas, o lamento que saiu da minha alma, foi a ausência de lembranças acerca do meu pai...

 

sabe a dor olharmos em volta, ouvir histórias dos pais de toda a gente e não entendermos a que é que se referem as memórias que se estendem em histórias, tristes ou alegres, mas histórias verdadeiras de vida... histórias de gente normal, que ainda recorda o rosto do pai, e ainda consegue, se fechar os olhos, ouvir a sua voz ...

 

muito se fala da mãe, dos seus gestos amorosos, da proximidade com os filhos, dessa relação umbilical que nunca se quebra... mas, eu continuo a desejar ter conhecido meu pai e ter dentro de mim a recordação do seu colo, das suas mãos fortes pegando as minhas mãos e da sua voz pronunciando o meu nome...

 

hoje orei por esse pai que partiu e juntei o meu choro á dor de alguém que de certeza se multiplicou muitas vezes na mesma hora e no mesmo dia e que por esse mundo fora ficou também sem pai...

 

o lado masculino da nossa emoção, necessita desse encontro na vida, desse ser aparentemente mais duro, e por isso, pensamos nós,  ser ele menos sensível...

 

de forma simples, deixo nestas palavras um apreço pelos pais que forem homens com letra grande e que amaram os seus filhos de forma sensível e carinhosa...

dos pais que também sabiam chorar e a quem por vezes apenas se atribui o papel da figura que deve ganhar muito dinheiro, para garantir o sustento da família...

 

se ainda tem junto de si o seu pai, ofereça-lhe o seu braço, vá passear com ele, faça-lhe um telefonema e diga-lhe com carinho que o ama, que o admira...

não espere pelo dia do pai para lhe dar um presente, ofereça-lhe hoje mesmo o seu coração...

 

acredito que muitos pais têm as lágrimas suspensas, para chorar quando ninguém perceber, e muitas vezes, as lágrimas espelham solidão...

 

se Deus ainda não reclamou o seu, ofereça-lhe o seu carinho...

 

pais do mundo, pais de todo o mundo, fazem falta em muitos lares...

 

deixo aqui também um beijo para o meu pai, que no mundo espiritual, tenho a certeza o receberá e que de vez em quando me visita, cumprindo pelo menos dessa forma essa presença que em vida não cumpriu...

 

para todos os pais... o meu abraço...

 

lasalete

 

 

neste momento eu estou ...: bem
publicado por lapieta@sapo.pt às 21:01

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

veste-me de flores ... ( poema)

 

 

veste... veste  de flores a minha alma

pensando em mim com amor sentido e calma,

veste-me de flores como se os olhos,

fossem sob as lágrimas as pétalas dos molhos

das flores que com amor compras-te para mim...

como se o perfume das flores fosse a lembrança

de um amor que não morre nem  tem fim...

 

veste-.me de flores a campa dura e fria

mas não deixes escorrer pelo coração a agonia

que sepultou o  teu olhar quando parti...

veste-me de flores e estende a tua mão

para que eu poise sobre ela o coração

que sofrendo por amor  bate  por ti...

 

veste-me de flores em paz, sentidamente,

sem chorares por mágoa o amor ausente

porque ainda te amo, te amo, meu amor...

veste de flores  e em paz, o chão dourado,

de todos os erros e amores de meu passado,

porque não deixei de errar ou de amar por ter morrido...

 

veste também de flores o céu da tua alma

e oferece nessa oferta florida

a dor e a ausência assim sentida;

e ao olhares a campa  branca e orvalhada

meu amor...meu amor...meu amor...

pensa, que a vida é apenas pó, é cinza e nada...

 

faço parte dos poetas e das dores,

dum mundo que não quer apenas mais flores,

nem mais lágrimas das dores adormecidas...

faço parte dos que amam mais amores

que algum dia, vocês hajam percebido...

mas meu amor, se tens esse desejo

de me dares uma flor na vez de um beijo,

então, com amor,  eu cedo ao beijo oferecido...

 

 

lasalete ( poemas da minha alma) - 30 -10-2009 - 17,11 h

neste momento eu estou ...: em paz
publicado por lapieta@sapo.pt às 17:19

link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Agosto de 2008

tempos da alma... ( poema)

 

sempre se repetem para mim as Primaveras

e vestem-se as aves como Orfeu...

as flores se oferecem viçosas e sinceras

e o segredo do vento é só meu ...

 

sem que ninguém proposite  a chuva cai

anunciando boas novas em botão

e feliz  de minha alma solto um ai

que me diz que está feliz o coração...

 

apenas pela feliz coincidência de existir

eu louvo e penetro em minha vida bem mais fundo

e nos mistérios que esta verdade me descerra

eu vivo, sentindo assim melhor o mundo...

 

não sei se quereria ser diferente

nem sei se me pertence a vida que há em mim

mas,  encosto-me expectante e a pensar

" que prova dura Senhor que não tem fim?"...

 

deixo-me conduzir lentamente qual regato

simples e tranquilo rumo ao mar

e os  meus braços se diluem noutros braços

apenas para  descobrir que sei amar...

 

se amar tanto assim é proibido

se é pecado querer tanto Santo Deus

que fazer então Senhor dos meus sentidos

que fazer então dos sonhos meus...

 

existem em mim, mais flores, mais primaveras

que a idade não queima  e louca põe em flor

com perfumes e cores bem mais severas

mostrando como é doce o meu amor...

 

afinal os poetas nem tudo vercejaram

esquecendo o Verão de meus sentidos

percebendo o incómodo calaram

a expressão real em meus ouvidos...

 

falaram do Outono, do verde e da magia,

mas o amor, tem mais cores por descobir

tem verdes de dor e azuis de fantasia

e tem tons com nomes de prazer p'ra colorir...

 

no Inverno da vida ainda p'ra viver

eu quero ser eu mesma e ser mais calma

num registo singular sem me esquecer

dos tempos mais felizes de minh'alma...

 

 

lasalete... ( poemas de dor e pranto)... 16-8-08

neste momento eu estou ...:
publicado por lapieta@sapo.pt às 13:59

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

não me roubem o meu sonho...

A esperança de um mundo melhor...

entre tudo o que Deus me deu, saber ler e escrever, foi na realidade a maior riqueza com que me presenteou...

todos os dias a vida me cumula de bençãos e me ajuda a prosseguir nos meus ideias...

 

na obra que desenvolvi ao longo de 13 anos e na sequência de todos os seus passos fui descobrindo algo que me ajuda a saber quando estou certa e quando estou errada...

 

meu anjo sempre me ensina que quando tiver alguma dificuldade, é porque estou perante algo que vou realizar que vai valer apena...

 

apesar de ter a certeza da minha missão sobre a Terra, eu sou um ser humano, erro como todos os seres humanos e também me canso como toda a gente... e, nas minhas meditações amplio o meu pensamento e demoro-me mais um pouco em determinados espaços do meu percurso...

 

hoje dei comigo a pensar que:

 

vou sair desta vida sem conhecer a fundo a vida...

fui dando conta de que a maior ciência, a mais difícil de aprender , a mais difícil de adentrar é o coração humano... mesmo assim...

visto-me de um enorme desejo... ensinar a amar profundamente... viver para além das estrelas... não convencer ninguém, mas conseguir sensibilizar para o amor toda a gente...

é fantasia?... talvez, mas não me impeçam de viver o meu sonho...

 

dói tanto quando me fazem chorar... só aí eu descubro como estou apaixonada pela vida...

 

tenho experimentado dores profundas e de cada vez descubro que as dores da alma são bem mais difíceis que as dores do corpo...

 

é no labirinto da minha Fé, ainda em botão, que eu me deleito e me convenço que vou prosseguir, inventando caminhos próprios e imaginando a cada dia um mundo bonito, belo e bom, onde todos os meus amigos são anjos e que gostam muito de mim ensinando-me coisas novas...

este é o mundo onde eu quero viver, este é o mundo que eu desejo construir...

 

por este ideal eu luto, eu trabalho , por este ideal morreria se preciso fosse...

 

acusam-me de utopia, mas se não fosse ao meu sonho de amor, onde iria eu buscar a força, perante o egoísmo que o mundo comporta...

 

dou por mim olhando o mundo em meu redor, onde todos fazem o que muito bem entendem, onde todos são capazes de se desligarem do mundo e ficarem apenas no seu pequenino e confortável mundo...

olho em redor e percebo que estou sempre ligada ao mesmo ponto de apoio...

ao meu ideal...ao meu sonho...

 

às vezes ficou com saudade de não ter responsabilidade, de voltar ao mundo que eu já conheci, quando eu tinha família e como todas as mulheres fazia o meu almoço e o meu jantar, vestia um vestido diferente a cada dia, organizava os fins de semana e as minhas festas de aniversário, fazia só as minhas contas, vivia apenas os meus momentos, estava de costas voltadas para as dores do mundo, estava dentro da minha gaiola, vivia para a minha casa, para aqueles que eram do meu sangue, aliás como faz a maioria ...

quase que dou razão aqueles que  dizem  ( deixei de ter vida própria)...

 

às vezes apercebo-me que deixei de ter gente no meu pedaço de Céu...

sinto-me tão só...

quando à noite regresso a casa, desejo ser como as árvores que parecem gigantes tomando conta da estrada...

falo com a Lua e peço ajuda... trago atrás de mim, os rostos esculpidos da pobreza que insistem em dormir perto de mim... transporto comigo o cheiro da dor...

só mesmo Deus conhece o drama do mundo...

 

como me sinto pequena... tão pequena que ainda não consigo deixar de chorar...

 

neste momento peço a Deus, que me acorde e aconteça um milagre... e desperta, eu verifique que as dores que envolvem o mundo faziam apenas e só, parte de um pesadelo...

 

neste momento peço a Deus que me acorde no seio de um mundo de amor...

 

lasalete...

neste momento eu estou ...: ????????????
publicado por lapieta@sapo.pt às 10:01

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007

solidão... (poema )

 

 

 

 

solidão... que vestes os poemas dos que amam

que sopras e susurras os ventos da saudade

que visitas a razão a horas quase mortas

no ventre da multidão ... até à eternidade...

 

solidão... solidão...

companheira dos ais que ninguém quer,

virgem de todos os dias vestida de mulher ,

lágrimas soltas sem rumo ou endereço...

solidão... solidão...

de amores que nunca  tive nem conheço...

 

solidão...  parceira ... cineasta

que inventas sorrisos em forma de ilusão,

que não mentes , nem dizes a verdade

neste circo onde apenas se transforma o coração...

 

solidão... dos dias de venturas,

das datas que marcam calendários que vivi,

solidão ... das minhas aventuras,

das penas, dos sonhos, das lonjuras,

dos sinos das aldeias

dos lugares onde vivi...

 

solidão.., menina, mulher, mãe ,

solidão... noiva, amante, freira, louca,

solidão ... quase anjo, quase céu,

que mata, que a quase ninguém poupa...

solidão, solidão, solidão ...

 

oh ! ... solidão...

que mentes, que vestes de gala os solitários,

que os colocas com prazer nos teus horários,

e depois  lhes dás a cama dura e fria...

que lhes mostras o céu, o inferno e agonia...

que lhes dizes, quando e como dominas ... solidão...

e do alto com dureza... soberana desafias

aqueles que estão sós perante a multidão...

 

faz um banquete de lágrimas sem fim,

põe flores nas jarras, grinaldas de jasmim,

pinta um arco íris e deixa escorrer

as cores mais violáceas p´ra eu ver,

pendura nele cornucópias e enfeita o coração,

limpa os olhos de água de toda a humanidade,

mas parte ... parte ...  parte solidão...

parte que não deixas nas almas a saudade...

parte solidão...

 

 

 

lasalete... 17 Dezembro 2007 ... ( 7,30 h)

neste momento eu estou ...: DESPERTANDO
publicado por lapieta@sapo.pt às 07:57

link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Julho de 2007

Não se devia chorar ao Domingo... (poema)

 

 

 

 

Não se devia chorar...não se devia estar triste

não se devia dizer... não vale a pena viver...

afinal, porque se existe ?

 

não se devia chorar ...muito menos ao Domingo,

todos deviam querer, fazer férias do desgosto...

amar, amar ... e crescer...

                                                            

não se devia sofrer,

nem permitir que sofressem todos os homens do mundo...

todos deviam querer...ver crianças a brincar

velhos a rir docemente, mulheres belas a bailar                       

homens de riso decente,jovens felizes a amar,

moçoilas quase casando e o arco íris a brilhar

de esperança engravidando ..

o céu sem nuvens chorosas,

no ar um perfume a rosas e as andorinhas voando,

os melros e as cigarras e os pintassilgos cantando...

tudo... porque hoje é Domingo e o povo está descansando ...

 

mas nada disto acontece !...

a vida fica chorando, as velhas ficam dormindo

e as crianças gritando,

os jovens estão discutindo e o céu de nuvens inchando,

as papoilas estão chorando, as magnólias estão tristes

o arco íris fugiu ... e o sol se foi retirando...

não descubro as andorinhas...

os melros só de manhã, passavam de ramo em ramo,

os pardais assustadiços sacudiam suas penas

a as borboletas serenas, receosas vão voando...

 

as flores, as mais pequenas, a medo se iam abrindo

as gotas iam caindo porque o céu estava a chorar...

abri a minha janela ... e ao céu mandei um recado

- ficas triste assim molhado ... porque não ficas sorrindo?

então, o sol apareceu ... e disse dando-me um beijo

- anotei o seu desejo...

o céu não chora ao Domingo...

 

lasalete ... 15-07-007 ... poemas do fim da tarde

neste momento eu estou ...:
publicado por lapieta@sapo.pt às 18:15

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

poema a meu pai... ( poema)

 

hoje senti saudades de ti ... pai ...

saudades de te ter , de te abraçar,

hoje senti saudades de ti ...

saudades de te ver sorrir e até chorar...

 

nunca toquei tua face ou teus olhos...

hoje senti saudade de te olhar...

não sei como era  a tua voz...

mas senti saudades de te ouvir cantar,

 

 

 

hoje senti saudades de ti ... sim de ti ...

de ver-te a trabalhar, ver-te cansado,

de te ouvir rir, de ver-te envelhecer ...

ver-te chegar a casa, lento e suado...

 

hoje olhei-me  ao espelho, pensei em ti...

no verde de meus olhos vi saudade,

vi-te dentro do meu olhar, fiquei ali...

e fiquei nos meus olhos à vontade ...

 

 

 

olhei meus pés , fiquei então parada,

imaginei que um dia aconteceu... mas não,

percebi com tristeza que nunca houve nada

que nunca tiveste meus pés em tua mão...

pedi então a Deus p'ra adormecer

que pudesse ver-te, ainda que a sonhar

não pude dormir, pai ,

não pude... que a saudade

foi mais forte do que eu, pôs-me chorar...

mas, ainda que a vida me dê a mesma sorte,

e á vida voltar após a morte,

voltarei a ter saudade de te amar...

 

 

 

 

 

 

                                                              lasalete ... 28-06-07

neste momento eu estou ...: com saudade
publicado por lapieta@sapo.pt às 23:50

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 7 de Junho de 2007

entardecer... ( poema)

 

 

                    Entardecer ...

serenar... serenar, ficar á espera...

ouvir, cantar, chorar e desejar...

apertar as mãos, sorrir,

dizer: não é ... não era...

imaginar, temer e omitir...

dizer: - tudo vai bem...

mas calar a dor, que rói qual fera...

permitir que olhem, sem denunciar...

 

entardecer... é possuir sem magoar,

amar... amar... e libertar logo a seguir...

querer ... querer muito ...não ter ...

e então chorar ... por não saber pedir...

deixar a luz baixar p'ra fazer acontecer...

amar o dia, mas deixar entardecer ,

abraçar calmamente,

sem marcar a fome de viver...

 

lasalete ... 7 Junho 2007 - 9 h

neste momento eu estou ...: voando
publicado por lapieta@sapo.pt às 09:46

link do post | comentar | favorito

CORAÇÃO DA CIDADE ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ MOVIMENTO ECUMÉNICO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ VOLUNTARIADO EM ACÇÃO ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥


a nossa sede na Rua Antero de Quental, nº 806- Porto

desde a inauguração desta casa que os voluntários têm sido um marco de coragem e abnegação




saiba porquê.....


O Coração da Cidade é:

é um espaço de solidariedade universal

com preocupações constantes de actualização

ao serviço permanente da comunidade onde está inserido

de conforto e amparo, servido apenas por voluntariado

onde todos os serviços prestados são e serão sempre gratuitos

promotor do voluntariado e intercâmbio associativo

O Coração da Cidade,

já estendeu a sua acção

a outros espaços do distrito do Porto

criando para o efeito

uma cadeia de Lojas Sociais ,

que lhe permitam

uma maior sensibilização

para o vuntariado

e ao mesmo tempo

detectar

novos focos de pobreza

venha até ao Coração da Cidade

faça-se voluntário

e ajude a servir,

os que mais necessitam de auxílio



CADEIA SOLIDÁRIA um euro uma razão para ajudar o Coração


é o que estamos necessitando neste momento ...

O Coração da Cidade inicou um pedido de ajuda para que seja posivel ultrapassar as suas dificuldades

associe a sua vontade de ajudar á nossa causa e contribua comnosco...

seja um amigo d'O Coração da Cidade

esperamos o seu

ajude-nos a ajudar ...

apenas um euro

Millenium BCP

0033 000000 239551298 05


gifs

ainda que eu fale a linguagem dos anjos e dos santos... se não tiver caridade nada sou...

posts recentes

flores ... para o pai ...

veste-me de flores ... ( ...

tempos da alma... ( poema...

não me roubem o meu sonho...

solidão... (poema )

Não se devia chorar ao Do...

poema a meu pai... ( poem...

entardecer... ( poema)

eu hoje tive saudades... ...

pregões que o tempo engol...

saudade ... poema

a todos os pais do mundo....

mais comentados

arquivos

tags

portugal

vida

porto

portoblogs

eu

amor

parlamento

actualidade

pobreza

solidariedade

politica

país

política

eu pensamento poesia blogs

blogs

poesia

eu pensamento blogs vida solidão pobreza

pensamento

solidão

pensamentos

todas as tags